terça-feira, 8 de agosto de 2017

MaDame Noir: Lágrimas Tardias (Too Late for Tears, 1949)


O melhor do filme Noir
por MaDame Lumière




Por Cristiane Costa,  Editora, blogueira e crítica de Cinema, especialista em Comunicação 



A parceria entre Byron Haskin e Roy Huggins foi uma das mais bem sucedidas da cinematografia Noir com a realização do fascinante thrillerLágrimas tardias (Too late for tears, 1949), que consagrou uma das mais perversas femme fatale do Cinema, Lizabeth Scott no papel de Jane Palmer. Disposta a planejar diabolicamente cada passo, seduzir, mentir e matar, Jane encarna a sedutora e sagaz mulher noir que faz de tudo para possuir um mala de dinheiro roubada e usufruir o luxo que tanto almeja.






Casada com  Alan Palmer (Arthur Kennedy) e procedente de uma classe média americana que cresceu pobre, Jane está no segundo casamento e não tem muitas posses. Certo dia, em um passeio de carro noturno, ambos são surpreendidos com uma mala de cem mil dólares. Como uma devoradora tigresa,  ela mostra a verdadeira essência de sua ambição. Em paralelo, é perseguida por Danny Fuller (Dan Duryea), um misterioso pilantra que diz que é o dono da grana e com quem ela está disposta a negociar. O suposto detetive Don Black (Don DeFore) entra em cena para investigar o plano e atrocidades desta perversa sedutora.




Com um roteiro bem equilibrado em reviravoltas, dramaturgia e crime, o protagonismo de Lizabeth Scott é conciso e envolvente. Ela seduz pelo charme refinado e uma insanidade  assustadora por dinheiro. Em diversas cenas, os olhos de Scott são como de uma tigresa sedutora e faminta, chegando à dissimulação de ser gentil. Sua urgência em se apropriar do dinheiro alimenta sua maldade desmedida que parece incontrolável. Desse modo, Jane Palmer é uma icônica personagem feminina noir, pelo foco na ganância, pelo drama de um caráter contaminado e duvidoso, pela vida trágica e sem salvação.





Como a maioria das mulheres do Cinema Noir, ambíguas e sedutoras por excelência,  Jane está disposta a fingir e mentir para os homens em cena. Do mais ingênuo ao mais perigoso, os homens noir se enforcam na própria corda, basta alguns diálogos convincentes da femme fatale e lá estão todos vulneráveis.  Essa enganação não deixa de ser divertida para a dramaturgia noir, pois "a maioria cai como patinhos" em uma ligeira fronteira entre o cômico e o drama fatalista. A atuação de Scott com o excelente Dan Durya contribui muito para a arena de felinos em cena. Danny é o criminoso com aparente autoconfiança e virilidade, porém mais um homem fadado ao fundo do poço, moralmente fraco e influenciável. Jane o usa como convém. A paixão por interesse, em um jogo controlador de quem engana mais que outro, transforma a dupla em um interessante casal amoral. 






Lágrimas tardias tem uma envolvente evolução que apreende pelo vigor noir em um clima de suspense a cada twist, que não perde em ritmo e nem na função de cada personagem. Explicitamente, o filme pertence à Lizabeth Scott, elegante, má e dinâmica em toda a narrativa. É ela que torna eterno este drama noir . Sua performance é um primor porque suas feições e ações cheias de astúcia e objetividade desconcertam seus amantes e não há barreiras para essa sensual criminosa. Quanto  mais ela deseja o dinheiro e persegue seu objetivo, mais  seu drama pessoal fica visível. Alguns enquadramentos dão a impressão de que ela está sorrindo por dentro como se dissesse: "nenhum de vocês vai me parar. A grana é minha!". Mas, na realidade, ela é uma trágica femme fatale com lágrimas tardias!



Ficha técnica do filme Imdb Lágrimas tardias





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Prezado(a) leitor(a)

Obrigada pelo seu interesse em comentar no MaDame Lumiére. Sua participação é muito importante para trocarmos percepções e informações sobre a fascinante Sétima Arte.
Madame Lumière é um blog democrático e sério, logo você é livre para elogiar ou criticar o filme assim como qualquer comentário dentro do assunto cinema. No entanto, serão rejeitadas mensagens que insultem, difamem ou desrespeitem a autora do blog assim como qualquer ataque pessoal ofensivo a leitores do blog e suas opiniões. Também não serão aceitos comentários com propósitos propagandistas, obscenos, persecutórios, racistas, etc.
Caso não concorde com a opinião cinéfila de alguém, saiba como respondê-la educadamente. Opiniões distintas são bem vindas e enriquecem a discussão.

Saudações cinéfilas,

MaDame Lumière